Agricultores do extremo Sul de São Paulo avançam rumo a plano de produção orgânico PDF Imprimir E-mail
Escrito por Conbrafito   
Qua, 19 de Setembro de 2012 16:56

Entender que a transição da agricultura convencional para orgânica vai além da substituição de insumos, mas depende de conhecimentos profundos sobre a biodiversidade e a nutrição das plantas, é o importante passo para o sucesso desse sistema. A reflexão foi trazida pelo professor Júlio Soraggi na aula do último dia 4 de setembro, dentro do projeto “Educação Ambiental para Incentivar a Agricultura Orgânica nas APAs Bororé-Colônia e Capivari-Monos”, realizado pelo Instituto 5 Elementos – Educação para a Sustentabilidade e pela Secretaria do Verde e do Meio Ambiente da Prefeitura Municipal de São Paulo, através do FEMA – Fundo Especial do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de São Paulo.

O aprendizado sobre as culturas anuais incluiu detalhes sobre cada vegetal, da semeadura das mudas de brócolis em dia de flor e lua crescente, do uso do composto biodinâmico para a berinjela, passando pelo cuidado com o excesso de cobre nos tomateiros, ou o uso de quebra-vento e de sementes sadias para o pimentão. Ao mesmo tempo, a fabricação do fertilizante orgânico “bocachi” e da calda bordalesa foi realizada durante a aula, permitindo a compreensão da medida exata de cada item desses importantes insumos utilizados na agricultura orgânica.

Além das aulas direcionadas ao cultivo, vêm sendo construídos os planos de trabalho em cada uma das 17 propriedades envolvidas com o projeto. “São necessárias metas coletivas, com a visão do que cada um pretende plantar, a previsão da colheita e a análise financeira do trabalho de conversão para os orgânicos, permitindo medir as conquistas do grupo”, afirma Mônica Pilz Borba, coordenadora do Instituto 5 Elementos.

Nesse sentido, alguns caminhos para o fortalecimento do grupo já vem sendo seguidos, como o trabalho de adesão ao Protocolo de Boas Práticas Agroambientais. Criado em setembro de 2010, numa parceria do Governo do Estado de São Paulo e a Prefeitura Municipal, o Protocolo consiste no comprometimento dos agricultores em realizar a conversão agroecológica com a assistência da Casa de Agricultura Ecológica de Parelheiros. O incentivo à integração na Cooperapas – Cooperativa Agroecológica dos Produtores Rurais e de Água Limpa de SP, que permite compras coletivas e projetos conjuntos, até o envolvimento com a nova Plataforma de Apoio à Agricultura Orgânica na Cidade de São Paulo – documento de treze instituições da sociedade civil a ser lançado em 16 de setembro às 10 horas no Centro Paulus, em Parelheiros.
Na aula também ocorreram uma feira de troca de sementes, projeção de filme sobre a arquitetura dos formigueiros e até uma dinâmica sobre como realizar nós e amarras – conduzida pelo agricultor Geraldino Ferreira – valorizando os saberes do grupo de agricultores.

Fonte: http://5elementos.org.br

O CONBRAFITO fará ações na parte educacional com plantas medicinais orgânicas.

LAST_UPDATED2